<%@LANGUAGE="VBSCRIPT" CODEPAGE="1252"%> Artigos

II – O PILAR GENÉTICO DO CAVALO PAMPA DA ACMM

Lúcio Sérgio de Andrade - Zootecnista
- Árbitro oficial de equideos marchadores -

Descontentes com os rumos tomados pela ABCCPAMPA, no que tange aos procedimentos de julgamentos e de Registro Genealógico, um significativo grupo de criadores, em numero e qualidade, reuniu-se em 13 de janeiro de 2003 para fundar a ACMM – Associação do Cavalo Malhado Marchador.

O principal objetivo da ACMM é o de contribuir em prol da formação de uma raça brasileira de cavalos pampas: CAVALO PAMPA MARCHADOR BRASILEIRO.

O slogan da ACMM é “A beleza no conforto da marcha”. De fato, a marcha aceita pelo Registro Genealógico da ACMM é a marcha pura, zootecnicamente definida como MTAD – marcha de tríplice apoios definidos, aquela que confere a melhor comodidade possível aos cavaleiros e amazonas. A beleza natural das múltiplas variedades da pelagem pampa, aliada à padronização de conformação e ao conforto da marcha, certamente resultará no mais completo cavalo do mundo.



Para facilitar a formação desta raça de pampas marchadores, foi definido o pilar genético, com base nas duas mais legítimas e expressivas raças brasileiras de cavalos marchadores: Campolina e Mangalarga Marchador. O Padrão Racial elaborado combina os melhores atributos zootécnicos de cada uma destas raças base, culminando no autêntico cavalo tipo mangolina, um sucesso da segunda metade do século IX e primeira metade do século XX, e que foi o cavalo originalmente idealizado por mim e meu tio, Márcio de Andrade, no antigo padrão SL – Serviço e Lazer. Infelizmente, a unificação do Registro Genealógico da ABCCPAMPA inviabilizou este ideal.


O Registro Genealógico na ACMM é simplificado. Uma vez registrado na ABCCMM ou na ABCCCampolina, o animal receberá o registro na ACMM, sem necessidade de nova inspeção. Mas para os machos, é exigida uma avalização pelo ANALOC-E ( Computador Analisador de Andamentos ), como forma de garantir a real qualidade da marcha. A genealogia do animal já registrado em outra associação é transcrita no Certificado de Registro da ACMM, a fim de faciitar a seleção. No caso de animais sem registro, é feita uma inspeção por técnico credenciado pela ACMM


Os julgamentos são conduzidos de forma clara, objetiva e ágil. São tres as classes de julgamento, de acordo com a origem do animal: Campolina, Mangalarga Marchador, Mangolina. Em cada classe, são julgadas categorias únicas de campeonatos, em conjunto para morfologia e andamento, sendo que o peso do andamento é de 50%, servindo em caso de desempate. As categorias são as seguintes: Mirim (de 8 a 15m) Potro/Potra (de 15 a 24m), Junior (de 24 a 36m), Égua/Cavalo Jovem ( de 36 a 60m), Égua/Cavalo Sênior (acima de 60m). Alem destes campeonatos também são julgados os Concursos de Marcha para éguas e cavalos, Concurso Melhor Amazonas, Concurso Melhor Cavaleiro Mirim, Concurso de Marcha em Atrelagem, Prova de Adestramento, Concurso Melhor Pampa Marchador ( julgado por juri popular, sendo por votação após montar em cada concorrente).


Se houver profissionalismo zootécnico na condução do serviço de Registro Genealógico da ACMM e dos julgamentos, nossos filhos verão o nascimento da melhor, e mais bela, raça de cavalos de sela do mundo. Como foi dito, o trabalho seletivo encontra-se alicerçado em apenas duas bases genéticas distintas e geneticamente puras. O sucesso dependerá da visão futurista e da capacidade de cada selecionador em filtrar o que há de melhor nestas bases genéticas.

 

Voltar